MENU

Carrinho 0 Favoritos 0
Loja Virtual
Kits Refeição Proteínas Carboidratos Legumes Veganos Sopas Salgados/Crepes Snacks e Doces
A FeelJoy
Quem somos No que acreditamos Tecnologia Parceiros Fornecedores
Depoimentos Na mídia Responsabilidade Social
Programas Dúvidas Frequentes Blog Contato Rio Grande do Sul
51 3028.2251 51 99512.5712
São Paulo
11 3032-4323 11 99320.9250

Já é usuário?

Login com Facebook
Esqueceu sua senha?

Não possui cadastro? Então

CADASTRE-SE
ou
|
0
R$0,00 0
  • Seu carrinho está vazio!

Programas Dúvidas Frequentes Blog Contato
O mito da zona "Fat Burn"

O mito da zona "Fat Burn"

É quase que semanal escutar em um ambiente onde se trabalha com resultados estéticos fornecidos pelo exercício que, para "queimarmos" gordura, temos que "fazer aeróbico". E o que significa isso - manter a atividade física em um determinado nível de moderação por um longo período. Esteiras e outros aparelhos de treinamento cardiovascular até hoje são adesivados com tabelas de zonas "fat-burn" indicando um percentual 65 a 75 por cento da FC máxima. Necessidade de ocupar espaço no painel com desenhos e gráficos ou controversa de toda tecnologia apresentada nestes aparelhos colocando em dúvida o conhecimento dos fabricantes?

A verdade é que tudo surgiu de um erro de interpretação do Quociente Respiratório, e para entendermos como esta tola zona de queima funciona, temos antes que entender o que é Quociente Respiratório (QR).

Durante toda nossa vida inspiramos oxigênio (O2) para utilizar como energia, usando este oxigênio para oxidar átomos presentes nas moléculas de carboidratos e gorduras. Depois expiramos o resultado desta utilização em forma de gás carbônico (CO2).

Se analisarmos estes gases conseguimos ter a real noção de quais fontes de energia estamos utilizando, carboidratos, proteínas ou gorduras. Contudo cientistas conseguiram encontrar uma fórmula simples para esta análise, dividindo o volume de gás carbônico expelido pelo oxigênio consumido.

O resultado, varia em média entre 0,7 e 1.

Durante uma atividade física o valor aproxima-se de 1 conforme aumentamos sua intensidade.

Quando assistimos na televisão atletas correndo ou pedalando em laboratórios com máscaras parecendo uma tromba de elefante, nada mais é do que um teste cardiopulmonar onde dentre os resultados está sendo analisado também o QR.

Logo: Quociente respiratório = Gás Carbônico expirado/ Oxigênio inspirado
Agora que entendemos o que é QR e percebemos na tabela que ao mantermos ele mais próximo de 0.70 (exercício moderado/leve) estamos queimando mais gorduras, porque então que esta zona não existe?

É exatamente este erro de interpretação que muitos acabam tendo e muitos outros acabam não querendo ver.

O pensamento então é manter as pessoas a queimar mais gordura com exercícios de menor intensidade, porque tal trabalho fácil não exige a obtenção de energia a partir de carboidratos. Embora isto possa ser um conceito lógico, é uma ciência inexata. Para ilustrar a falácia da zona de queima de gordura, é importante comparar dois diferentes protocolos de exercício.

Por exemplo, um indivíduo caminhando em uma esteira em baixa intensidade, zona "fatburning", a 4,8 km/h por 20 minutos, seu QR é de 0.80 resulta em 67% de energia proveniente de gorduras e 33% de energia de carboidratos. Além disso, nesse ritmo o indivíduo gasta 4,8 calorias por minutos, 3,2 dos quais (67%) vem de gorduras e 1,6 (33%) de carboidratos. Ao término dos 20 minutos, 64 calorias foram consumidas do metabolismo de gordura e apenas 32 calorias do metabolismo de carboidratos.

Se este mesmo indivíduo duplicasse a intensidade para 9,6 km/h para os mesmos 20 minutos, a intensidade adicionada exigiria mais carboidratos como fonte de combustível e o QR subiria a 0,86. Um QR de 0,86 resulta em 54% de energia proveniente de carboidratos e apenas 46% de gorduras.
No entanto, este ritmo resultou em 9,75 calorias gastas por minuto ou 5,2 e 4,48 calorias por minuto a partir de carboidratos e gorduras, respectivamente. Assim, para os mesmos 20 minutos, o indivíduo gasta 104 calorias de carboidratos e 90 calorias a partir das gorduras.

Este aumento na intensidade aumentou o consumo calórico total de gorduras, para o mesmo investimento de tempo, superior ao da caminhada de baixa intensidade. Assim, a declaração de marketing que a diminuição da intensidade nos coloca em uma zona de queima de gordura não é totalmente correta.
Se olhares os percentuais, claro! Moderadamente estará consumindo mais gordura. Mas não é um valor absoluto. Ou seja, aumentando a intensidade e aceitando que o % de gordura como fonte de energia diminuirá, mesmo assim o valor absoluto de gordura será maior.